close x

Monthly Archives: January 2014

Esteves

Esteves

PROJECTO – Bar

DATA/ LOCAL – 2002, Bairro Alto, Lisboa

ESTADO – Construido

FUNÇÃO – Restauração

AREA/ PROGRAMA – 25m2, Sala, Copa, I.s.

ARQUITECTURA + DESIGN – FORM, Francisco Fontes

O objectivo foi renovar, redefinir e optimizar sem descaracterizar a natureza da tasca, numa zona histórica. Pela simplicidade e unidade reanima-se o jogo das formas e dos materiais. Um micro-abrigo relaxante interage à escala humana numa relação íntima de prazer. Uma caixa seccionada horizontalmente origina duas partes sobrepostas que se dilatam independentemente em movimentos ondulatórios. Perspecticamente, a profundidade do espaço aumenta. Em cima expomos as garrafas, em baixo escondemos áreas técnicas e arrumos. Dois feixes de luz rasante marcam uma fronteira e evidenciam as cores. O bordeaux, em baixo – alusão ao vinho tinto (bebida principal das tascas) – torna o espaço mais quente e acolhedor. Em cima, o branco uniformiza e reflecte luz ambiente. Nos 25 m2 acrescentámos uma instalação sanitária, sem perder área de mesas ou de copa. Um só objecto contem uma mini-cápsula (com as 2 wc e ante-câmera integrada) de onde cresce um “braço” que cria a copa e outro que cria um espaço para arrumos.

Comercial0 comments

P. I. C. A.

P. I. C. A.

PROJECTO – P.I.C.A.

DATA/ LOCAL – 2006, Lisboa

ESTADO – Construido

FUNÇÃO – Cenografia, RTP 2

AREA/ PROGRAMA – 120m2, Sala, 2 quartos

ARQUITECTURA + DESIGN – FORM, Francisco Fontes

O objectivo do programa incidia na criação de um ambiente futurista para a casa onde 2 irmãos adolescentes vivem e realizam um programa televisivo clandestino, com recurso a uma rede amigos com webcams e às mais inovadoras tecnologias interactivas. Neste sentido, desenvolvemos este projecto experimental para um inovador conceito de casa dinâmica. Uma lâmina torce-se sobre si mesma e define o volume de cada quarto. Nesta torção, a lâmina assume-se sucessivamente como parede, tecto, parede e pavimento, de forma continua e sem fim. 2 planos verticais, encerram-na lateralmente e dois vãos refletem as formas curvilineas da lâmina empenada. Num dos quartos, uma fracção da lâmina solta-se e transforma-se numa cama com um armario integrado. Na janela adjacente instalou-se um videowall e para o lado oposto do quarto, projectou-se uma consola giratoria com monitores e teclado nos terminais de 4 braços articulados. Um corredor une os quartos e funde-se na sala eliptica, onde, aleatoriamente, circulos desenham os vãos.

Cenografia0 comments

Flor

Flor

PROJECTO – Loja de Flores

DATA/ LOCAL – 2001, Santos, Lisboa, Portugal

ESTADO – Construido

FUNÇÃO – Comércio

AREA/ PROGRAMA – 150m2

  • Áreas expositivas flores frescas/secas/artificiais
  • Áreas de trabalho
  • Escritório
  • Wc movel

ARQUITECTURA + DESIGN – FORM, Francisco Fontes

Intervimos num edificio dum pátio histórico reconvertido em Santos. Jogando com contrastes, realçámos a nova intervenção e as pré-existências recuperadas, pelo desenho e pela natureza dos materiais. Sobressaem a estrutura reticulada de madeira e um grande janelão multicolorido, que filtra a iluminação diurna e nocturna. Em contraste, uma grande montra flutuante, espiral, rasga organicamente a fachada, definindo no espaço, 3 planos diferentes – a porta de acesso, a montra e um janelão. No interior o espaço é flexível e os seus objectos “submersos” criam zonamentos que induzem percursos serpenteados. As flores e a água estão suspensas em caixas transparentes. As suas cores vivas destacam-se num espaço asséptico, reduzido ao essencial. No primeiro piso, um elemento escorre pela parede e dobra-se, originando a bancada de preparação das flores; um outro, vindo do chão, origina o balcão de atendimento. Uma cápsula móvel é a casa de banho completa. No segundo piso, criámos um segundo ambiente, mais “quente”, com a forte influência cromática e lúmica do vitral. Uma parede/ biombo torce-se em volta de um pequeno escritório e um murete, ondula em torno de uma abertura no pavimento, que une visualmente os dois pisos.


Comercial0 comments

Belém

Belém

PROJECTO – Habitação Unifamiliar – Triplex

DATA/ LOCAL – 2003, Belém, Lisboa

ESTADO – Ante-Projecto – Proposta

FUNÇÃO – Habitação

AREA/ PROGRAMA – 80m2, T2

ARQUITECTURA – FORM, Francisco Fontes

Como valorização arquitectónica, urbanística e ambiental do lugar, assumimos o Contemporâneo em equilíbrio e harmonia com o Passado. Interpretámos a linguagem arquitectónica da envolvente histórica, e dissolvemo-la até ao essencial. Na fusão dos planos, arqueámos a cobertura e chanfrámo-la com as duas fachadas. Desligámo-la parcialmente para criar uma mansarda, e neste desencontro, abrimos um vão em “guelra”, virado para sul e para o rio. No piso térreo dividimos as paredes e curvámo-las em várias direcções. Configurámos a sala e a cozinha, e ligámo-las à escada. Com características umbilicais, ela une e optimiza todo o espaço. Uma leve estrutura helicoidal, serpenteia-nos pelo âmago do edifício, que progressivamente se torna mais íntimo. No 1º andar, acolhemos a escada com um anel cilíndrico, e separamos o quarto da i.s. Um pequeno óculo de luz zenital impulsiona a subida, por uma manga até ao sótão. Assumimo-la aqui como um objecto quase escultórico que possibilita múltiplas utilizações.

Habitacional0 comments